domingo, 20 de fevereiro de 2011

NADA FICA

Nada fica de nada. Nada somos.
Um pouco ao sol e ao ar nos atrasamos
Da irrespirável treva que nos pese
Da humilde terra imposta,
Cadáveres adiados que procriam.

Leis feitas, estátuas vistas, odes findas —
Tudo tem cova sua. Se nós, carnes
A que um íntimo sol dá sangue, temos
Poente, por que não elas?
Somos contos contando contos, nada.

Ricardo Reis

7 comentários:

Jorge disse...

Triste verdade!

Ana Maria Job disse...

Oi camila!Sou Ana Maria.Acabei de conhecer teu blog.Fiquei encantada.Clarice Lispector é uma de minhas escritoras preferidas.Queria saber se és familiar dela?

Camila Lispector disse...

Olá, Ana Maria. Respondendo a sua pergunta, não, não sou parente de Clarice. Apenas compartilhamos, você e eu, da mesma paixão pelos seus escritos.

Drika Reis - A Arqueira da Lua disse...

Olá!!!
Adorei o seu blog!!!!
Parabéns!!!
Beijos!!!

Camila Lispector disse...

Obrigada, Drika!!!

Bicho Maluka Beleza!!! disse...

parabens pelo blog!!! ADOREI!!!bjusss

O Segredo dos Escritores disse...

olá muito prazer me chamo Augusto César...estava perdido na blogosfera ai encontrei seu blogue...muito bacana seu espaço cultural...estou te seguindo,se tiver um tempinho dê uma passadinha lá no meu?...
abraços!!!