quarta-feira, 20 de agosto de 2008

ENTRE UM JOGO E OUTRO

Ter você nu na cama
que deleite.
E como a gente brinca
e rola e ri
para depois sentar
nos lençóis descompostos
o corpo ainda suado
e continuando sempre
o mesmo jogo
falar a sério
de literatura.

Te beijo no cangote
e quieta penso: um outro amante assim
Senhor
que trabalho terias
pra me arrumar
se me tomasses este.

Um comentário:

Sereyani disse...

Adoro esse poema e eu o tinha perdido... legal d+ achá-lo aqui...
bjuxx